DST’s – Sintomas, Tratamentos e Prevenção

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on linkedin

Muito conhecidas, porém não levadas muito a sério. As DST’s podem atingir homens e mulheres de todas as classes sociais e idades e levar a graves complicações de saúde. Ao contrário do que a maioria pensa, não é só através do ato sexual em si que as doenças são transmitidas, mas também através do beijo ou também da masturbação se feita após tocar uma pessoa infectada.

O que é DST’s?

DST é a sigla para o nome doenças sexualmente transmissíveis, que tem como principal forma de contágio a relação sexual sem uso de preservativo com uma pessoa infectada. Podem se manifestar através de corrimentos, feridas, verrugas ou presença de bolhas na região genital. Entre as DST’s mais conhecidas estão a sífilis, gonorreia, HPV, herpes, cancro mole e AIDS, porém existe uma extensa lista de doenças nessa categoria. Também são conhecidas popularmente como doenças venéreas.

Cada uma delas provoca sintomas diferenciados no corpo e atinge áreas distintas. Algumas são totalmente curáveis através de tratamentos e outras não. Algumas provocam sintomas muito incômodos e outras são totalmente assintomáticas.

Além do contágio através do ato sexual, as DST’s podem ser contraídas através do beijo, da masturbação e através da transfusão de sangue, quando o doador tem o vírus. Também pode ocorrer durante a gestação ou durante o parto, quando a mãe está contaminada. No compartilhamento de seringas contaminas também pode ocorrer o contágio.

Sintomas das DST’s

Muitas das DST’s são completamente assintomáticas, o que acaba sendo muito preocupante. Primeiro, por agravar o quadro do portador da doença, já que pode demorar a descobrir e iniciar o tratamento adequado. Segundo, porque sem sintomas, o portador não se previne com preservativos e acaba contaminando outras pessoas.

A melhor forma de se prevenir ou tratar devidamente é através do acompanhamento médico de rotina. Visite seu médico ginecologista regularmente e conheça seu corpo, caso note algum sinal diferente procure seu médico imediatamente. Mesmo as DST’s assintomáticas provocam alterações no corpo, principalmente no corrimento vaginal, portanto fique atento sempre!

Cheiro Forte

O odor vaginal tem um cheiro bem característico, porém quando esse cheiro está alterado, muitas vezes com mau odor ou um cheiro muito forte, pode estar acontecendo algo de errado. É natural mulheres notarem a diferença no odor de suas vaginas na hora de fazer xixi ou até mesmo no odor da calcinha. Aliás, essa é uma recomendação medica indispensável para as mulheres, cheirar sua calcinha usada é um ótimo método para saber como anda sua saúde intima. Algumas DST’s alteram o pH vaginal e a presença de bactérias altera completamente o odor natural da vagina.

Coceira

A coceira nas partes intimas não necessariamente irá apontar que você tem uma DST’s, afinal pode ser ocorrência de diversos fatores como alergia a algum produto intimo ou até mesmo de uma candidíase. Mas também pode ser sinal de que existe alguma infecção ou presença de bactérias na região intima, então na dúvida melhor investigar e confirmar que está tudo bem, ou senão, iniciar o tratamento adequado o quanto antes.

Corrimento Vaginal

O corrimento vaginal é um sinal comum em todas as mulheres, principalmente as em idade fértil. Também muito comum, ocorrer durante os dias que antecedem o período menstrual. Porém, se a presença do corrimento vaginal vir acompanhado de sintomas incômodos como coceira, mau cheiro e coloração esverdeada ou amarelada é um indicativo de que está ocorrendo uma infecção. Esse também é um sinal característico de uma DST bem conhecida, a gonorreia.

Verrugas na Genitália

A presença de verrugas no órgão genital masculino ou feminino, pode ser um alerta para a presença de infecções e das DST’s, em especifico da HPV. No caso das mulheres, a HPV pode agravar-se caso não tratado devidamente e ocasionar problemas mais sérios como o câncer de colo no útero.

Dor e Dificuldade Para Urinar

Sintoma muito comum para diversas ocorrências na saúde, principalmente em casos de infecção urinária, a dor e dificuldade para urinar também pode ser indicativo para a presença de DST’s. Principalmente no caso dos homens, a dificuldade para urinar pode ser indicativo da DST gonorreia ou da clamídia, que provocam dor intensa na uretra e dificuldade para urinar.
Caso note alguns desses sintomas ou qualquer outro sinal que seu corpo está diferente, com odor diferenciado, procure seu médico imediatamente. Realizar exames específicos garantirão um diagnóstico confiável e um tratamento eficaz.

Aproveitando o espaço, quero deixar uma dica para nossas leitoras que estão tentando engravidar, você sabia que a Patricia Amorim em parceria com a empresa Famivita, desenvolveram uma linha de produtos para ajudar os casais tentantes a engravidar mais rápido? Entre eles, vitaminas importantes para a fertilidade feminina e da masculina como o FamiFerti e ViriFerti, além de testes de ovulação, gel lubrificante amigo da fertilidade que faz o papel do muco e tudo o que você precisa para dar uma forcinha extra para o positivo chegar logo. Você encontra todos os produtos e a opção do kit tentante aqui em nossa loja virtual.

Tratamento da DST

O tratamento da DST é diferenciado para cada tipo de doença. Por isso é indispensável a consulta medica e exames mais específicos para determinar e diagnosticar a doença exata, para que o tratamento seja iniciado o quanto antes. Algumas infelizmente não possuem cura e o tratamento indicado é somente para controlar os sintomas e proporcionar uma qualidade melhor de vida ao paciente.

AIDS

A aids que é a sigla de síndrome da imunodeficiência humana é contraída através do vírus HIV. A doença atinge completamente o sistema imunológico deixando o organismo totalmente suscetível a todas outras doenças. A contaminação ocorre através do sexo vaginal, anal e oral sem uso de preservativo, durante a gestação, no parto ou na amamentação de mãe para
bebê, quando a mulher é portadora do vírus, ou na troca de seringas ou troca de sangue contaminado.

A AIDS é uma das DST’s que não tem cura. O tratamento é realizado a base de antirretrovirais que são oferecidos de forma gratuita pela rede SUS. O foco desse medicamento é fortalecer o sistema imunológico que foi atingido, como forma de reduzir a carga desse vírus e também reduzir as chances de o paciente desenvolver outras doenças como as respiratórias e cardíacas, que são muito comuns em pacientes com HIV.

HPV

Também conhecida como crista de galo devido a sua aparência quando manifestada, o HPV ou condiloma acuminado é considerada uma infecção comum e até simples, mas caso não tratada corretamente pode desencadear um câncer.

O tratamento do HPV pode ser realizado através de uso de medicamentos ou em alguns casos cirurgicamente. O uso de remédios não provoca a eliminação do vírus, já que não existe nenhum tratamento que proporcione esse efeito. Mas é focado no controle dos sintomas que são muito incômodos e doloridos, devido as lesões que surgem. Em casos mais específicos, pode ser indicada a remoção cirúrgica das lesões.

Gonorreia

A tão conhecida gonorreia é ocasionada pela bactéria neisseria gonorrheae. A doença afeta órgãos genitais, colo uterino, reto, olhos e garganta. Caso não tratada a tempo pode se agravar e ocasionar a infertilidade irreversível do indivíduo.

O tratamento da gonorreia é a base de antibióticos para combater a bactéria no organismo. Normalmente logo nos primeiros dias de tratamento, os sintomas já reduzem o incômodo, porém, a medicação deve ser tomada até o ultimo dia de prescrição medica, seguindo rigorosamente o tratamento.

Sífilis

A sífilis ocasionada pela bactéria Treponema Pallidum, é caracterizada pela presença de feridas genitais ou alguns caroços na virilha confundidos com ínguas. Em seu estágio mais avançado é comum surgirem manchas por todo corpo, paralisias nos membros, queda de cabelo e até cegueira.

O tratamento é realizado através de antibiótico injetável que é altamente eficaz no combate da bactéria causadora da sífilis. Uma única dose da injeção no primeiro ano de infecção da doença é possível combate-la. Caso a doença tenha sido contraída a mais de um ano, será possível mais doses do antibiótico injetável.
Foto: Bru-nO

Fonte: Trocando Fraldas

Mais Matérias